quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

QUAL É O SEU NOME?




Ele está exausto, passara a noite inteira brigando, lutando, usou tudo o que possuía e quando ia desistir arrancou forças do fundo de sua alma, como um grito de socorro agarrou-se a seu oponente, quase o imobilizando.
Seu oponente um pouco surpreso com tamanha persistência o agarra pela perna, e o puxa, deslocando sua coxa. Mas ele o lutador se mantém firme, suportando a dor, o cansaço, o sono, o medo...

A noite está chegando ao fim, o gelado frio da madrugada percorre seus corpos, o orvalho já cobre a grama, os primeiros raios de sol ameaçam surgir, e o oponente ainda tentando se desvencilhar pede:
- Deixe me ir, já está nascendo o dia, não vou mais lutar com você.

- Não o deixarei ir senão me der sua benção.

-Então, bravo lutador, qual é o seu nome?

“Qual é o seu nome?” Esta era a única pergunta que ele não queria ouvir. Uma simples resposta era necessária, mas de simples não tinha nada. 
 Ao ser questionado lembra que em seu nome também está sua vergonha, seu passado, seus fantasmas, que o perseguem dia após dia, que não o deixam descansar em paz ao colocar a cabeça no travesseiro, tudo aquilo que ele mais repudia, mas são as únicas coisas que vê ao olhar no espelho, ou responder sobre quem é ...

Em meio a lágrimas, disfarçadas em meio ao suor, com a voz um pouco rouca, ele diz, mais como uma confissão do que uma simples resposta:

- meu nome é Jacó, o usurpador, o enganador, aquele que vive de mentiras, trapaças, em quem ninguém pode confiar...

- Ó Jacó, finalmente você reconheceu o que é, seus erros, seus defeitos, assumiu sua culpa. Eu vejo em seu choro que já não agüenta mais estar assim, por isso eu te digo hoje sua vida foi mudada, pois é em suas fraquezas que meu poder se aperfeiçoa,e neste momento, eu mudo sua sorte e seu nome, de hoje em diante seu nome é Israel, pois como um príncipe lutaste com homens e com Deus, e venceste...

Maravilhado com tudo aquilo, meio atordoado com tamanho acontecimento, olha para seu não mais adversário, e pergunta:

-Mas qual é o seu nome?

- Ó meu querido Israel, ainda perguntas qual é o meu nome? Essa resposta você já sabe...

E o abençoou ali, e foi embora.

E Israel também saiu daquele lugar, junto com o Sol que tomara o lugar das trevas, tanto na Terra, quanto em seu coração. E mancava por causa de sua coxa, para que sempre se lembrasse, que sozinho ele era apenas um coxo,manco, enganador, mas que sua força vem de Deus, e que com Ele é mais que vencedor, um príncipe.

2 comentários:

  1. Show de bola camarada! Belo testo. Ousado na proposta de aumentar o diálogo que é revelado, mas em nada compromete a essêencia. Parabéns

    ResponderExcluir
  2. "Eu mudo a sua história, e teu nome a partir de hoje será ISRAEL!"
    fantástico!

    ResponderExcluir