domingo, 24 de abril de 2011

O FIM.





A ressurreição. Quantas vezes nos esquecemos dela? Ou a tratamos de uma maneira simples demais, como se fosse algo comum, normal. Não, ela é varias coisas, menos “normal” ou “comum”. É através dela que Deus sela sua completa vitória sobre a MORTE. E isso significa mais do que conseguimos imaginar.
Relembremos os acontecimentos, Sexta: Dor, Sofrimento, Humilhação, Redenção, Perdão, Expressão Suprema de Amor, CRUZ. Sábado: Resignação, Choro, Espera. Enfim, chegamos a domingo, é madrugada, o Sol parece se demorar um pouco a nascer.  Encontramos Maria Madalena a caminho do sepulcro. Ele está vazio, ela chora, levaram o seu Senhor.  O jardineiro, não é um simples jardineiro, Raboni, é Jesus.   Deste ponto em diante Cristo ainda aparece outras vezes a seus discípulos, dá varias instruções, tem uma Linda conversa com Pedro e sobe aos Céus.  
O que Deus tenta nos mostrar com tudo isso? Bom, essa pergunta tem tantas respostas, corretas, que não caberiam nesse texto, nem em livro algum, e algumas ainda, provavelmente, nem conhecemos.  Mas eu quero tratar de uma.  Através de todos estes acontecimentos Ele nos mostra a forma mais pura e perfeita que sempre há ESPERANÇA.  
Na sexta, tudo o que aqueles que andavam com Cristo e o seguiam, foi ruindo, desmoronando, parecia um pesadelo que se tornava realidade, uma tragédia, todos seus sonhos, planos, conceitos, ideias, certezas, sendo chicoteadas, surradas, crucificadas junto com Ele. Não havia para quem correr, pedir ajuda, pois A Ajuda estava sendo morta, a esperança estava morrendo. Mais do que alguém muito querido, amado, sendo morto, a crucificação de Cristo, aos olhos deles, destruía tudo aquilo que Ele havia dito, o que Ele afirmava. Pedro anteriormente, questionado pelo próprio Jesus se deixaria de segui-lo responde que não havia para aonde ir, pois só Ele tinha as palavras de vida eterna, e agora não pareciam mais eternas, soavam como mentiras. Tudo isso gerou duvidas, confusão, medo. Eles se esqueceram das palavras não só de vida eterna, mas que O Messias havia de morrer e após 3 dias ressuscitar.
Imagino que o Sábado deve ter sido terrível, doloroso, um misto de choro com dificuldade de acreditar que tudo aquilo estava acontecendo. Provavelmente alguns discípulos estavam meio anestesiados, alguns inconformados, outros simplesmente choravam. Agora pare um pouco e pense, quantas vezes não nos encontramos na mesma situação que os seguidores de Cristo? Quantas vezes vemos tudo àquilo que tínhamos certeza que seria eterno morrendo, quando os sonhos e as palavras de vida, amor, alegria e paz, que são pregadas soam tão distantes, tão falsas.  Quando tudo desmorona, não vemos mais saída, não vê mais saída, não há o que fazer, a nossa derrota parece cada vez mais iminente, o desespero bate a porta. Estamos como os discípulos, tudo aquilo em que criamos, tínhamos confiança, todos os conceitos, ideias, criadas, simplesmente morrem.
O que fazer então? Aos nossos olhos não há mais saída, não há como consertar, não há solução, a morte chegou.  Sim, é o fim.  Não temos controle algum sobre isso. Foge das nossas forças.  Mas o problema não está em sofrermos, Deus em momento algum nos falou que não sofreríamos, muito pelo contrário, diz que “no mundo terei aflições”.  A questão é, do mesmo modo que os discípulos, nós esquecemos de que "É necessário que o Filho do homem sofra muitas coisas e seja rejeitado pelos líderes religiosos, pelos chefes dos sacerdotes e pelos mestres da lei, seja morto e ressuscite no terceiro dia". Lucas 9:22
Talvez você já esteja no seu Sábado, aquele momento em que você já não sabe mais o que fazer, simplesmente está esperando o domingo chegar. É nessa hora que temos que nos lembrar de que não estamos sozinho, que é Deus que está no controle, e mesmo não tendo lógica alguma, não existindo solução, Ele está ali para mais uma vez mostrar que “Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes;” 1 Coríntios 1:27. Pode parecer insanidade, loucura, e é. Mas o fim não é o final da história. Pois ao amanhecer do domingo Cristo ressuscitou, triunfantemente voltou dos mortos, zombou da morte, e veio nos mostrar, que a morte para aqueles que o amam é apenas o começo, que no fim há o início de algo muito maior, muito melhor.  Se sua vida está assim, você não consegue mais ver solução, está tudo perdido, arrasado, destruído, chore o quanto quiser, não há nada de errado em sofrer, mas não se desespere, pois o domingo está chegando, a madrugada está acabando, o dia vem raiando, e junto com ele, um sepulcro vazio nos lembra de que o fim é apenas o começo.

Um comentário:

  1. Calebe,

    Lindo demais o texto. O sabado é a escuridão, quando acordamos para o domingo ficamos felizes, passamos por dificuldades...mas Ele esta conosco, então que façamos o domingo nascer para a galera que ainda vive o sábado.

    ResponderExcluir