terça-feira, 11 de outubro de 2011

LEVANTE-SE DA CAMA.




O texto de hoje não vai ser realmente um texto, é apenas a tradução desta música aí de cima (Asleep in the Light - Keith Green ). Não posso comentá-la pois preciso refletir o quanto eu mesmo não tenho agido desta forma. Que você possa fazer o mesmo. 


PS: Outro dia escrevo sobre a história deste incrível cristão, que por acaso era músico, o Keith Green. 


Tradução - Asleep in the Light. 


"Está vendo, está vendo

Toda essa gente afundando?
Não se importa, não se importa?
Vai deixar que elas se afoguem?

Como pode ser tão frio
Não ligar quando eles vêm a você?
Você fecha os olhos
E finge que o trabalho está feito

"Senhor me abençoe, me abençoe"
É tudo que eu escuto
Ninguém sente a dor, ninguém se incomoda
Ninguém nem ao menos derrama uma lágrima

Mas Ele chora, Ele sofre, Ele sangra
E se importa com seus problemas
E você simplesmente se acomoda
E continua chovendo no molhado

Não vê o tamanho deste pecado?
Pois Ele leva gente à sua porta
E você as manda embora
Sorrindo, e dizendo
"Deus abençoe, fique em paz"
E o céu inteiro chora
Porque Jesus veio à sua porta
E você o largou na rua

Se abra, se abra
Dê mais de si mesmo
Você vê que há necessidade, você ouve os chamados
Então como deixar pra depois?

Deus está chamando, e você é escolhido
Mas como Jonas, você foge
Ele te disse pra falar
Mas você está guardando pra si

Não vê o tamanho deste pecado?
O mundo jaz nas trevas
Porque a igreja não compra a briga
Porque está jazendo na luz
Como pode estar tão morto
Sendo tão bem alimentado?
Jesus se ergueu do túmulo
E você, nem consegue levantar da cama

Jesus levantou do túmulo
Vamos, levante da cama

Como pode ser tão frio
Não ligar quando eles vêm a você?
Você fecha os olhos
E finge que o trabalho está feito
Você fecha os olhos
E finge que o trabalho está feito
Não feche os olhos
Não finja que o trabalho está feito

Saia, saia, e venha comigo, querido
Saia desta bagunça, venha comigo meu querido"

quarta-feira, 5 de outubro de 2011

UMA HISTÓRIA DE AMOR.



  Ela era menina de tudo. Uma mulher, mas garota, ingênua, inocente, pura, um doce. Perfeitinha, sem o complicada. Quem a viu afirmava que era impossível não se encantar com tão bela criatura. “Uma obra divina...” diziam outros.
    O que mais gostava de fazer era cuidar de seu lindo jardim. Contam que nunca mais houve outro tão belo, grande e encantador quanto ele. Conhecia cada planta, flor e arvore. Os animais que ali viviam pareciam entender cada palavra que saía de sua boca. As frutas de seu pomar eram lindas, suculentas, vistosas, mais doces que o mel mais puro. Mágico.
    Ela passava os dias ali, cuidando de cada detalhe daquele imenso bosque (era quase uma floresta), alimentando animais, podando as plantas, regando as flores, que exalavam um doce perfume, que percorria todo o corpo, entrando pelas narinas, causando sensações impossíveis de descrever. Era uma rotina, mas sempre havia algo diferente, novo ali.
    Não se pode dizer a hora exata, mas foi pela manhã. O Sol ainda não estava muito alto. O frescor da madrugada ainda não tinha ido descansar. O orvalho fazia hora extra sobre as lindas folhas. Sentada em um banco, lendo um pouco, ela vê ao longe Ele, um lindo príncipe.
    Vinha em seu cavalo, que não sei se era branco, preto, azul, amarelo... O que realmente importa era Ele, ali, a galopar na direção dela. Nunca o havia visto, mas sabia que sempre estivera por perto. Era uma beleza indescritível, incomparável.
    Livro fechado. Em cima do colo. Em cima do banco. Sombreado por ela, observa ao longe o encontro do que foi feito para ser eterno. Como foi o encontro não é importante, foi só o 1º, de muitos. Eles foram se conhecendo, mas já se amavam. O amor dele por ela era incomparável, maravilhoso, impossível de acreditar.
  Juntos viviam momentos lindos, aventuras, romances, alegrias. Mágico. Cada dia era uma surpresa, algo novo, eles ia se conhecendo, ele já não conseguia ficar mais longe dela, ter que esperar para encontra-la, queria viver todos os dias com sua amada. Seu coração diz algo, sua mente concorda. Ele não pensa duas vezes, sabe que é o certo a fazer. 
  Um pedido, uma resposta, 2 anéis. Estavam noivos. Parecia um sonho, um conto de fadas. Os preparativos começaram logo em seguida. Não queriam perder tempo. Nem acreditavam naquilo tudo.
  Quanto mais o tempo passava mais tarefas havia. Ela comprava as flores para a festa. Estava em dúvida. Alguém a ajuda. Ele era assim, como posso dizer, interessante. Alto, ombros largos, olhos hipnotizantemente lindos, um sorriso indescritível. Sua voz, doce, mas grave, a leva pra perto. Rosas vermelhas. Pro casamento e para ela. Fica sem graça, um tanto vermelha, mas gosta. Ocasionalmente se esbarram na rua. Certo dia, um café. Conversas, risadas. Estão tão próximos. Não fica mais vermelha. Um beijo. Hesitação. Outro beijos, e outro, e outro... 
  Ela diz que está casando. "Vamos fugir". Conversa. Planos. "Sim". Ela não aguenta e conta para seu príncipe. Ele nada pode fazer, a ama demais para proibir. Se despede, não sem lágrimas nos olhos. Ela e seu cavaleiro misterioso, na estrada, rumo ao desconhecido. 
  Cidade nova. Ela que nunca saíra de sua linda casa agora está numa cobertura, um duplex. A primeira noite lá, depois de beijos, uma garrafa de vinho, ela já não é mais virgem. Noite passa. Manhã chega. Ela ainda se sentindo estranha, Ele com um sorriso ainda maior no rosto. Bom dia? Não. Ela descobre, não iria morar ali com ele, seria em um local, digamos, alternativo. 
  Andam cerca de 30 minutos. Afastado do centro. É escuro até de dia. Cheirava mal. Portas quebradas. Luzes vermelhas. Ela sabia onde estava. Teria que "trabalhar" para sobreviver. Puta. Cafetão. Não havia mais príncipe. Todos os dias a mesma coisa. Mais e mais homens, repugnantes, abusando-a, beijando-a, violando-a. A dor era enorme, precisava de algo. Drogas. Drogas. Drogas. Entorpecida já não vivia mais, era uma morta-viva, um cadáver que apenas respirava. Não tinga trégua. Todo seu dinheiro ia para seu "amado" cafetão.
  Ela já não tinha mais forças. Tentara fugir algumas vezes em vão. Socos e pontapés. Choro. Ela encontra em sua bolsa velha, um bilhete antigo, com uma letra que ela não esquecera. "Estarei sempre contigo, aonde quer que você vá. Eu te amo, e sempre te amarei." Ela grita, em prantos: Meu príncipe, cade você? me ajuda, eu te amo, te quero de volta. Menos de 1 minuto. Porta aberta. É ELE. Seu herói. Mas como? "Eu nunca te deixei. Estava na casa ao lado, a esperar, quando você quisesse me de volta." Ele sai carregando-a, e se encontra com o bandido. Uma briga. Só se veem braços e pernas para todos os lados. O príncipe, inexplicavelmente é morto.
  O vilão imagina ter vencido. Mal sabe ele com quem realmente lutara. Passam-se 3 dias, e algo sobrenatural acontece. VIDA! O Príncipe, enfim, está de volta, mais vivo do que nunca, mas não é o mesmo, está mais forte, mais alto. Não há luta, todos sabem de quem é a vitória. A derrota cabe a aquele que fica para o rato de esgoto, jogado na cadeia. 
  A jovem é resgatada, vão embora. Ele cuida dela, limpa suas feridas, sara seus machucados, dá-lhe amor, carinho, respeito. Não lhe pergunta do passado, não importa. Está novamente, limpa, bonita, cheirosa. Mas agora, ela já não é mais plebeia, é princesa, pode enfim se casar com o noivo.
 "Amor, vou fazer uma viajem, e quando voltar nos casaremos." Ela concorda. Sabe que é verdade. Ele não mente. Partiu. O amor entre eles faz com que mesmo longe estejam juntos. Ele ainda não chegou de volta, ela está a lhe esperar, pronta para viverem juntos para sempre. Ele está a caminho, cavalgando seu lindo cavalo o mais rápido que pode, a saudade é grande. 

sábado, 1 de outubro de 2011

SERÁ?



“Nos perderemos entre monstros
Da nossa própria criação.
Serão noites inteiras,
Talvez por medo da escuridão.

Ficaremos acordados
Imaginando alguma solução.
Prá que esse nosso egoísmo,
Não destrua nosso coração.

Será só imaginação?
Será que nada vai acontecer?
Será que é tudo isso em vão?
Será que vamos conseguir vencer?

Brigar prá quê se é sem querer?
Quem é que vai nos proteger?
Será que vamos ter que responder
Pelos erros a mais, eu e você?”

(Trecho da música “SERÁ?” do Legião Urbana)
 Tantas perguntas, questões. Quantas vezes não nos pegamos pensando se tudo que vivemos, passamos, foi em vão. Se certas situações valerem a pena ter acontecido, ou se foram apenas erros de percurso. Olhamos para trás e desejamos que nada daquilo tivesse ocorrido. Queremos voltar e mudar o passado. Infelizmente, ou felizmente, é impossível, não conseguimos transformar o que passou. Não temos esse poder. Os erros e acertos já foram cometidos. As risadas já passaram. As lágrimas secaram. Tudo isto se foi, não volta mais. Diversas vezes nos agarramos a nossa história, e esquecemos que só possuímos o hoje, e que o amanhã depende de como vamos lidar com o tempo que nos é dado. Até quando vamos fazer com que tudo que fizemos, passamos, vivemos, tenha sido em vão? Já cansei de viver de memórias e esquecer de usa-las para viver o hoje, moldar o meu futuro.
  Cansei. Não dá para apenas desperdiçar o tempo tentando mudar o imutável, esquecendo que mais belo que a sua história, é o seu presente. Não tenho a pretensão, e nem acredito, que tudo que ocorreu em nossas vidas tenha sido necessário, ou que tenha um lado bom. Não! Nem todos acontecimentos são bons. Alguns por sinal são apenas extremamente dolorosos. Com certeza você, da mesma forma que eu, tem cicatrizes em seu coração, sua alma tem marcas, que mesmo que já estejam curadas, ficarão ali para sempre, pra nunca esquecermos o que se passou, e principalmente, para que possamos dar valor ao que virá.
  Talvez você olhe para sua vida hoje e não veja nenhum sinal de mudança, nada que o faça pensar que poderá melhorar. As lembranças te sufocam. Algo te fala que vai sim, poder vencer esta batalha, mas não há razão para acreditar. Será que é tudo imaginação? Será que tudo que passou foi em vão? Será que nada vai acontecer? A escolha é sua. Você irá olhar para seus problemas, tudo o que está acontecendo, tudo que deu errado, o que já se foi, e lamentar apenas, ou pensar no quanto foi útil para que crescesse, amadurecesse, fosse sendo moldado, transformado. Por pior que tenha sido a situação, há algo que você pode levar como lição, nem que seja para saber que nunca mais quer passar por algo parecido.
  Hoje a esperança está batendo na sua porta. Ela quer cuidar de você. Quer te mostrar a verdade, já que a mentira talvez tenha dominado sua mente. Cuidará de suas feridas ainda abertas. Há sim um futuro para você, ainda há como mudar. Não deixe para depois, não espere as coisas tornarem-se piores do que estão. Nada foi em vão, nada foi por acaso, nada se perdeu. A Esperança vem para te proteger, e mostrar que sozinho realmente será impossível vencer, mas que não é preciso lutar sozinho. Ela conheça suas lágrimas, suas angústias, tudo aquilo que te feriu. Sabe de seus sonhos, planos, vontades e desejos. Ela também atende pelo nome de Jesus Cristo.
  Ele vem para te mostrar que a sua dor não é em vão, que o amor sim vence, mesmo que pareça derrotado, só Ele, e mais nada nem ninguém, faz a vida surgir da morte, faz com que do choro mais intenso nasça o riso mais alegre e puro. Ele é abrigo para os perdidos, refúgio para os cansados. Ele é a única solução. Só Esse tal de Cristo, Salvador, pode matar nossos monstros, ser a luz que brilha em meio a escuridão que nos assusta, dá-nos medo.
  Eu comecei esse texto com perguntas (na letra da música) mas termino ele com respostas. Não que eu as tenhas. Não tenho. Mas eu sei quem tem. E sei que mesmo as tendo, Ele trabalhará de tal forma que elas não serão mais necessárias. Prepare-se, você será surpreendido, basta apenas entregar tudo nas mãos de Jesus.


“"Pois os meus pensamentos não são os pensamentos de vocês, nem os seus caminhos são os meus caminhos", declara o Senhor.
"Assim como os céus são mais altos do que a terra, também os meus caminhos são mais altos do que os seus caminhos e os meus pensamentos mais altos do que os seus pensamentos.
Assim como a chuva e a neve descem dos céus e não voltam para ele sem regarem a terra e fazerem-na brotar e florescer, para ela produzir semente para o semeador e pão para o que come,
assim também ocorre com a palavra que sai da minha boca: Ela não voltará para mim vazia, mas fará o que desejo e atingirá o propósito para o qual a enviei.
Vocês sairão em júbilo e serão conduzidos em paz; os montes e colinas irromperão em canto diante de vocês, e todas as árvores do campo baterão palmas.
No lugar do espinheiro crescerá o pinheiro, e em vez de roseiras bravas crescerá a murta. Isso resultará em renome para o Senhor, para sinal eterno, que não será destruído. "”

Isaías 55:8-13