quarta-feira, 7 de dezembro de 2011

UMA PAUSA.


               

           Acabo de sair do consultório médico. Na sala de espera, um senhorzinho, por volta de seus 90 anos, entra quase que carregado por seu neto. Alguns passos. Correria. Ele já está no chão, desmaiado. O corpo em colapso. Eu e mais 2 homens o colocamos no sofá. Médicos. Alguns minutos. Poucas palavras. Tudo bem? Não, mas voltou.
    A vida é frágil. Um suspiro. Um sopro. Uma brisa que a qualquer momento pode simplesmente parar, mudar de direção. Naquele momento o pobre velhinho não pensava nas contas a pagar, no almoço, quanto foi o jogo do Corinthians, só desejava sobreviver, saber se daqui 5 minutos estaria com seu coração a bater ainda. Não havia vaidade.
    Até quando nos preocuparemos, sofreremos, com problemas tão pequenos, efêmeros, quase que insignificantes? Desde quando o salário do fim do mês é mais importante que nossas vidas? Será que é necessário morrer pra conseguir descansar em paz?  Vale à pena estressar-se com o trânsito, o clima, o peso, a roupa que furou, o copo que caiu e quebrou, ou com um jogo de futebol? Cargos, status, poder, são realmente mais importantes que famílias, amigos, amores, risadas, sorrisos?
    Há quanto tempo você não sai pra pescar com seu filho, faz uma comidinha pro seu marido, leva a esposa pra comer fora, vai à casa da vó pra ouvir histórias antigas e gostosas? Há quanto tempo não para e simplesmente olha as estrelas, escuta o vento cantando, assistir a um filme besta na TV sem se preocupar com o horário?
    “Vaidade das vaidades, tudo é vaidade” já dizia o poeta. Tentamos ganhar o mundo e perdemos nossas vidas.
    PARE! Peço-te, hoje, por favor, pare um pouco. Olhe ao seu redor, e por mais difícil que as coisas estejam, sempre há o que agradecer, nem que seja o simples fato de poder respirar, ainda.

3 comentários:

  1. Uowwwww o/
    Para uma pessoa tipo sanguíneo como eu, o parar é a coisa mais dificil a se fazer, mas o bom é pensar no hoje, viver o hoje sem se preocupar com o amanhã.
    Ao ler o texto eu parei, respirei fundo e pensei: Deus, só o Senhor sabe!
    Muito bom viu Sr. Moço :) E consegui visualizar a cena novamente ^^
    Bjones

    ResponderExcluir
  2. Imagina se o primeiro comentário não ia ser da Nelisa!
    uaihuahhau
    Toda vez que vou comentar aqui, ou no blog da Aline, o primeiro comentário é sempre dela!
    aiuhaiuhauhau

    Enfim, curti o texto Calebe!
    Eu não canso se falar que você escreve super bem e acho que vc deveria escrever um livro \o
    ha ha

    Gostei mesmo desse texto. É uma pena que poucos param para de fato refletir sobre tudo isso.

    Beijooos
    Da bolachinha de nata!
    AUHIUAHUIAUHAUHUAHUAHUAHUHAUHAUHAUHAU

    ResponderExcluir
  3. Olá Calebe, vi seu blog no da Patrícia e resolvi visitar! Adorei e já estou seguindo! Realmente você escreve muito bem, parabéns! Se puder me dá uma força e me segue tb, bju!

    rebeca-mello.blogspot.com

    ResponderExcluir