sábado, 10 de março de 2012

DUAS PALAVRAS



    Ao todo já somos mais de 7.000.000.000 de habitantes no planeta terra. Só no Brasil passamos dos 190 milhões. Na grande São Paulo chega a 20 milhões. Só na Capital a 12. No último ano mais de 22 milhões de bebês nasceram. Por dia quantas pessoas você vê, seja na rua, escola, faculdade, trabalho, casa?
    Temos 196 países, 36.722 cidades, e inúmeros bairros e ruas.
    No Japão se vive mais de 80 anos. Isso dá mais do que 2.880 dias, ou 691.200 horas, ou 41.472.000 minutos. Os segundos eu me recuso a calcular.
    No último ano foram publicados 196.643 livros. Só hoje foram enviados mais de 54 trilhões de e-mails em todo o mundo, e mais de 2 trilhões de cigarros foram fumados.
    Nós homens, falamos mais de 7.000 palavras. As mulheres em torno de 20.000 . Quantos passos demos? Quantas vezes respiramos? Quantos pensamentos tivemos?
    Números e mais números. Cada vez mais nos agigantamos, nos tornamos maior. Talvez isso seja bom, talvez seja ruim. Dizem que logo a população irá parar de crescer. Mas tudo que envolve este nosso mundo é grande demais, toma proporções estratosféricas. São bilhões, trilhões. Nunca se houve tanto consumo, gasto, conforto, miséria, fome. Nunca antes na história deste planeta existiram tantas ideias, planos, metas, para um mundo melhor, uma vida melhor.
    Não sei, e nem tentei descobrir, quantas doutrinas, ideologias, pensamentos, diferentes existem e são seguidos. Porquê por mais que odiemos o capitalismo (mesmo vivendo abraçado com ele), desejemos utopicamente o socialismo, e imaginamos ser o anarquismo algo bom, nada, NADA disto adianta, ou resolve os problemas da humanidade.
    Só há um momento que me traz esperança. Uma luz, A Luz, no fim do túnel. Não havia uma plateia aplaudindo. Foi muito mais que um discurso de alguém sentado numa poltrona. Se existem bilhões de pessoas no mundo, este momento foi feito só por uma. São tantas palavras são ditas em vão, desta vez foram poucas. Se tudo que fazemos é procurando nosso bem estar, este momento foi a mais pura dor encarnada em um homem. A minha esperança, a única solução, mais forte que uma ideologia, maior que qualquer doutrina, imensurável prova de amor, é que um dia, Jesus Cristo, crucificado, em meio a dores, ao abandono, bradou em alto e bom som:

- ESTÁ CONSUMADO!

Está pago. Estão perdoados os nossos pecados. Estamos livres, libertos pelo sangue do cordeiro. Estamos religados a Deus, O nosso maravilhoso Pai Celestial. A derrota da morte era certa. Enfim, 3 dias depois, de forma tão surpreendente que nenhum autor poderia escrever tão belo final, da morte, surge A vida, encarnada, no nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo. 

2 comentários:

  1. wooow
    muito bom ler um novo texto seu \o
    muito lindo esse Calebe!
    =)
    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Aeeeee, post novo e fiquei 5 dias para conseguuir ler kkkkkkkkkkk
    Mto bom Sr. Moço. Bjones

    ResponderExcluir