segunda-feira, 28 de maio de 2012

HERE COMES THE SUN



     Ela estava envolta em seus braços. Era mais uma madrugada fria de inverno que se arrastava. As lágrimas por pouco não congelavam ao escorrerem em seu rosto. A angústia machucava mais do que o vento gelado que cortava sua pele.
     Fora um inverno longo demais, frio demais, difícil demais. Parecerá a ela que o tamanho dos problemas era diretamente proporcional ao quanto fazia de frio. Os pássaros não cantavam mais, o Sol sumira, os rios não corriam, o riso fugirá dos rostos, somente a esperança resistia como podia dentro dos corações.
     O calor da lareira era menor que os dos corações. A fome alimentava sua fé. O medo a encorajava a continuar na luta. A solidão lembrava-lhe que nunca estaria só. A noite é o prelúdio do nascer do Sol.
     Um inverno tão longo parecia uma provocação. Cada vez menos comida, menos lenha, menos fogo. As únicas coisas que sobravam eram o vento gelado, a neve que caia e as nuvens no céu.
     Depois de tantas dificuldades estava ela ali, quase sem forças, meio acordada, meio desmaiada. Trabalhará dias e dias para alimentar aquele fogo, para que ninguém na casa morresse de frio. Não comerá nos últimos 3 dias, mas aquela noite Ele estava ali. Seu noivo, que nunca a desamparava. Chegará com um pedaço de pão, para sustenta-la, um pouco de vinho para aquecê-la, e seus braços para protegê-la.
     Aquela noite ela estava envolta em seus braços. Era mais uma madrugada fria de inverno que se arrastava. Quase que sem esperança, quase, ela olha para seu Amado, que a protegia do frio, e diz: Eu não aguento mais. Algumas lágrimas escorrem de seus olhos. Ela repete a mesma frase, algumas vezes, chorando, mas sempre calma, sem cobrar nada, apenas sendo sincera.
     O Noivo, apenas ouve, e abraça, consolando-a, enquanto ela chora. Passa-se um bom tempo assim. A noite fria se transforma em uma madrugada gelada. Por alguns minutos o vento cessa, o choro para, é possível ouvir o silêncio a sussurrar em seus ouvidos. Ela limpa seu rosto molhado e gelado. Ao olhar para seu protetor, vê que Ele olha ao longe, mas não um olhar perdido, fixo em algo, que ela não sabe o quê. Ela percebe um leve sorriso. O que há? Indaga ela. Ele continua em silêncio. O que foi? Porque este sorriso? Insiste ela. Depois de mais algum tempo, Ele a olha, no fundo de sua alma, com um ar calmo, sereno e tranquilo, e sussurra em seu ouvido:
-Ó minha querida, tem sido um inverno longo, frio, solitário, mas sempre estive com você. Olhe, minha pequena, olhe novamente, e veja, o Sol está vindo, o Sol está vindo, tudo ficará bem, tudo está bem. Eu lhe prometo... It’s All right. 

3 comentários:

  1. Dispensa comentários, porque não consigo traduzir em palavras o que eu senti ao ler esse texto.
    Simplesmente amei. Amo a música e ameiii seu texto!
    =)

    ResponderExcluir
  2. Calebe, cara como consegue traduzir em palavras os sentimentos?
    Consegui sentir daqui esse aconchego e a certeza de que tudo ficará bem =)
    Muito lindo.
    Bjones

    ResponderExcluir
  3. Meus Parabéns , sem palavras.
    Senti um sussurro escrito de Deus em meus olhos :)

    ResponderExcluir